Etica, moralidade e educacao ambiental

Citation metadata

Date: Mar. 2004
From: Interciencia(Vol. 29, Issue 3)
Publisher: Interciencia Association
Document Type: Article
Length: 4,559 words

Document controls

Main content

Article Preview :

RESUMO

As reflexões sobre educação ambiental, sob o ponto de vista ético, têm estado cenitradas no comportamento responsável do ser humano para com o ambiente e os demais seres que o ocupam. Muitas vezes o argumento do discurso preservacionista se baseia no senso, marcado por um viés antropocêntrico, de dever para com as necessidades de uso dos bens naturais pelas gerações futuras. No presente trabalho, discute-se a diferença conceitual entre ética e moral, o predomínio do imperativo do dever no processo educativo e a forma como essa diferença pode delinear caminhos diversos na educação ambiental.

PALAVRAS CHAVES / Educação Ambiental / Ética / Educação Crítica / Moralidade /

Recebido: 20/11/2003. Aceito: 12/03/2004.

**********

O conceito de ética divergiu ao longo do desenvolvimento do pensamento filosófico, estando inicialmente associado a uma essência interior do ser humano, sobre o qual despertam ações autônomas e, num momento posterior, a um sentido modulador dessas ações, acoplando-se sólida e definitivamente à dimensão da moral. Essa última conceituação parece vigorar no senso comum contemporâneo.

A educação, como instrumento de formação do ser humano inserido no seio de uma sociedade organizada, parece ter enfatizado, ao longo de sua história, as obrigações morais que permitem essa inserção, em detrimento do desenvolvimento do senso ético. Por mais crítico que fosse o seu caráter, os objetivos de incutir no formando a moral, traduzida em regras e convenções, tantas vezes naufraga, diante de discursos imbuídos de individualismo e competitividade, ante a realidade sócio-capitalista. A mesma educação que quer ensinar a moralidade, reflete os valores alheios à essência da ética, submissa a condições de domínio cultural e alienação.

Nesse mesmo contexto nascem os discursos da educação ambiental que, mesmo embebidos em um forte idealismo e embasados em argumentos científicos e de dever para com o outro, acabam por esbarrar nos valores já tão incutidos na sociedade moderna. Testemunham essa realidade os educadores, que vêem com preocupação, frutos tão mirrados de seus trabalhos de sensibilização. Falam incessantemente na necessidade de mudança de paradigmas e de valores, mas poucas vezes essa mudança se dá no próprio agir, configurando-se a necessidade de um processo constante de resistência para manter seu posicionamento diante do mundo.

Pergunto, nesse contexto, se a base de nossas tentativas de transformação não está justamente na forma reducionista de tratar a ética, enquanto imperativo do dever. No presente ensaio analiso essa divergência conceitual e a contextualizo na educação, amparada pela sua relação com as discussões da teoría crítica.

O Conceito de Ethos e as Virtudes

Uma breve retrospectiva do conceito de ética ao longo do desenvolvimento do pensamento humano permite traçar possíveis perspectivas da interação entre ética e educação.

Em Heráclito, o sentido de ethos está íntimamente ligado com a consciência que reside no ser do homem, algo inato que é fundamento da práxis. Na filosofia aristotélica, ganha os contornos da moral e passa a ser derivado dos hábitos, da experiência externa, do ensinamento. Aristóteles abre espaço para a transição de uma ética de base para um sistema rígido de princípios.

A liberdade...

Source Citation

Source Citation   

Gale Document Number: GALE|A116668244